segunda-feira, 30 de setembro de 2013

ESTUDO DIRIGIDO


Os Concursandos, quando idealizamos e direcionamos a realização do sonho de galgar um cargo ou emprego público, muitas vezes envidamos esforços na medida e conduta equivocada para o estudo especificado. Mesmo nas salas de aulas dos cursos preparatórios, por diversos procedimentos, passamos a nos comparar, em nível de estudo, pelo colega que, por suposição, seja o mais dedicado e estudioso daquela classe.
Com a proporção correta de conhecimento e um estudo dirigido adequado, poderemos ter o êxito necessário para nossa aprovação no concurso público desejado. Deveremos passar a desmistificar o “Monstro do Estudar”, e que aprender e estudar se realizarão sempre de forma personalíssima, quando planejamos metas planificadas para o estudo.
Primeiramente, deveremos vislumbrar o cargo/emprego público que desejamos, e analisarmos o edital do último concurso detalhadamente, atentando aos requisitos para que se possa participar do certame, e principalmente, a mensuração de assuntos cobrados pelo último edital.
Supomos que o concurso esteja a uma distância de oito a doze meses para a realização da prova de conhecimento, temos o comprometimento de conhecer toda a matéria nos primeiros quatro meses, e esta intimidade tem haver em conhecê-la de forma macro (ter lido algo, já ter contato com material didático, começar a estudar, de acordo com o edital, os assuntos a serem avaliados), e em concomitância, aprofundar com planejamento, as horas de estudo diário que, nos primeiros dois meses, devem iniciar por uma a duas horas no dia, obrigando-se a uma compensação nos finais de semana, quando a meta semanal não for cumprida. O descanso de sua mente também é importante, deve ser de um dia na semana, aplicado já neste período.
A partir do terceiro mês ao quinto, deverá haver uma necessidade de acréscimo diário de estudo para que, em média, três horas diárias devam ser cumpridas destrinchando conhecimento, atentando à necessidade de que pelo menos duas matérias diferentes, devem ser objeto de estudo neste momento (ex. no mesmo dia estudar: português + direito constitucional, se for possível, acrescentando mais matérias, será melhor).
Quando estivermos no sexto mês, o ideal é que sua mente e seu corpo, já estejam treinados a permitir-se a permanecer sentado a uma mesa, estudando em sequência, respeitado o fisiologismo de cada pessoa, devendo ser de quatro e acrescentando mais  horas de estudos diariamente, atentando sempre para o cansaço mental, necessidade de se alimentar de forma equilibrada, praticar esportes, usufruir de horas de sono adequadas a cada pessoa, tudo conforme seu horário biológico (se o estudante estiver muito dedicado ao estudo, é adequado que pessoas ao seu entorno, como pai, mãe, irmão, esposa, marido, dentre outros estejam acompanhando o seu desempenho para que ele/ela não esqueçam destas necessidades fisiológicas do ser humano).   
Estamos traçando, algo mediano, para que quaisquer pessoas possam alcançar o êxito pretendido em uma prova de concurso público, mas quanto mais cedo iniciarmos o planejamento e o próprio estudo, o alcance do objetivo será realizado de forma mais breve. O plano de estudo acima, deverá acontecer excluindo o tempo de estudo de sala de aula, caso esteja matriculado em curso preparatório.
Se o prazo para o concurso público for mais dilatado ou menor, proporcionalmente, o concursando deverá adaptar o procedimento de estudo supracitado.
Não há mágica, nem tampouco procedimentos de estudos ousados, onde de uma hora para a outra com edital publicado e a prova está a um ou dois meses de sua realização, achar que obterá uma aprovação, este acontecimento é equiparado a probabilidade de acerto integral numa loteria, assim é arriscado estudar exacerbadamente e sem controle do tempo, não atentando para o seu corpo e mente, estes sendo atacados por você mesmo, numa conduta em que ambos não estejam treinados.
Àqueles que já estiveram participando de concursos passados, e não obtiveram êxito, devem notar suas deficiências na(s) prova(s), lapidar sua dificuldade, visto já ter conhecimento daquilo que tem precariedade de conhecimento; poderá, assim, de forma planejada e personalizada direcionar àquela matéria, individualmente, ou com professores particulares, ou até em módulos específicos para a referida, através de cursos preparatórios. 
O importante é que, não há idade limite para a realização de um concurso público, o direito de participação do certame é dignificado a todos pela Constituição Federal, excetuando as discriminações positivas, que a lei admitir.  Fixe sua meta, planeje as horas de estudo, sempre concentrado e desimpedido de problemas, sem interrupções externas, condicionando assim o seu físico e mente a praticar o ato de estudar. Lembre-se no dia da prova, você estará em sala de aula, realizando testes de conhecimento, muitas vezes,  provas objetiva e discursiva, que variam de quatro a cinco horas sentado e discorrendo por uma diversidade de assuntos. Logo, o treinamento do seu corpo e mente se completam para esta prática.
Temos aqui uma recomendação, mas que cada um poderá delinear de forma mais eficaz e adequada a si mesmo, pois o homem só consegue seu objetivo com vontade e muita luta, suas realizações ocorrerão consoante à vontade de Deus; tudo aquilo que se alcança com dificuldade é mais prazeroso e realizador. Ele não lhe dará nem muito, nem pouco, apenas o quinhão adequado que você precisa para viver... Sejam felizes estudando, aprendendo e ensinando...
Cláudio Yunes
FONTE:FOLHA DIRIGIDA