quinta-feira, 24 de abril de 2014

COMO SE LIVRA DO QUE O ATRAPALHA AO ESTUDAR?

 

Em todo e qualquer concurso, os candidatos batalham para superar seus concorrentes, isto é, os demais candidatos. Contudo, há outros desafios a serem vencidos por aqueles que sonham em ingressar na carreira pública - em diferentes categorias. Um deles, talvez o mais difícil de todos, constitui um fator interno. O concurseiro que quer chegar lá, afirmam especialistas, precisa vencer os próprios medos. É preciso trabalhar sentimentos como autoconfiança, determinação e perseverança. Mas, no processo de preparação para as provas, muitos desses estudantes enfrentam inimigos externos. O mundo moderno, ao mesmo tempo que conectou toda a sociedade à interatividade, a condenou a um modo quase contínuo que combina estado de alerta e distração. De tão "conectado", o indivíduo acaba distraído por interferências externas a todo o tempo. Em certos casos, verifica-se uma tendência à dependência tecnológica. Basta que um dos serviços de mensagens, como o whatsapp, saia do ar por alguns minutos para que muitas pessoas experimentem a sensação de aflição por não poder receber ou compartilhar informações.

Juliana Pivotto, 32 anos, é fundadora da Editora Nova Concurso, especializada na produção de material de apoio a concurseiros. Formada em Marketing Digital, ela elaborou uma lista com os maiores vilões dos candidatos de concursos públicos. Anote aí: são eles o acesso às redes sociais, tv e rádio; as conversas telefônicas com amigos e parentes; a organização de encontros com amigos; o acesso a e-mails pessoais; barulho alto; ansiedade e fome excessivas. Foi observado que muitos candidatos tinham as mesmas dúvidas de como estudar e se dedicar de forma integral aos estudos. A partir daí, foi elaborada uma verdadeira estratégia para evitar as principais distrações. "Foco e rotina são elementos fundamentais. As pessoas têm dificuldade em criar uma rotina de estudo, mas ela se faz necessária", afirma a entrevistada, que apresenta a seguir algumas dicas de como burlar - ou ao menos minimizar - os prejuízos provocados por essas quase sempre inevitáveis "distrações" do cotidiano. Confira:

>
Baixar o fluxo dos pensamentos a um nível parecido com a meditação. Para isso, foque na respiração. Preste realmente atenção no ar que entra e sai, na quantidade e intensidade. Assim você "esvazia" o cérebro de outras preocupações ou assuntos paralelos.

> Focar em algum ponto estático. Imagine a chama de uma vela e tente controlar o movimento com a mente. O desafio aqui é pensar em nada – o que é bem difícil. Pois nossa cabeça preenche espaços com pensamentos. É preciso tentar deixá-la o mais livre possível para receber o conteúdo que se deseja assimilar.

> Procurar livros e exercícios que exijam o limite das suas habilidades. Quanto mais difícil, mais você terá que se concentrar e, assim, seu cérebro permitirá menos brechas para a distração.

> Transformar estudos chatos em jogos com etapas a serem vencidas. Acumule pontos e aí se dê prêmios, como descansos ou pausas para o cafezinho. Vale também fazer daquela leitura mais complexa um tipo de jogo, focando em uma fase de cada vez. Ultrapassar etapas, uma a uma, pode deixar o processo todo mais interessante, dando maior gás para seguir em frente!

> Estabelecer uma rotina: não misture tarefas. Tome café na hora do café, fique com seus filhos na hora determinada para isso e só trabalhe quando chegar a hora. "Crie uma rotina, tópicos, trace metas daquilo que precisa ser estudado diariamente e tenha pausas e outras atividades durante o dia. É importante ter uma rotina diária dividida em diversas atividades, incluindo o estudo. Quando estudar, dedique seu tempo de forma exclusiva, esquecendo telefone, computador, todas as outras coisas. Se preciso for, peça a colaboração de familiares para que o silêncio e a privacidade, ao menos no seu ambiente de estudo, sejam respeitados", aconselha Juliana Pivotto.

> Realizar uma lista com tudo o que precisa cumprir. A cada tarefa riscada da relação, você ganha um ponto – e, se o trabalho for grande, dois pontos. Com cinco pontos, você pode se conceder algo como um chocolate ou um cafezinho. Com dez, ganha meia hora de descanso.

> Estudos em grupo podem ser uma boa tática para agilizar a apreensão de conteúdo, com o esclarecimento de dúvidas entre os envolvidos. Mas é preciso estabelecer regras de como o programa funcionará, para que não se transforme em mero encontro entre colegas, servindo apenas para colocar o papo em dia.

> Fazer um diário com o que você faz o dia inteiro e perceber o que distrai você. Por exemplo, ao escrever você se distraiu mais do que quando estava falando ao telefone? Com o smartphone, as pessoas estão conectadas o tempo todo... Há alunos que não resistem aos chamados das redes sociais nem mesmo quando estão em sala de aula, na presença de um professor. O que dizer, então, quando se está estudando sozinho, em casa? "O celular apita a cada mensagem de e-mail, ou whatsapp. E a maioria dos candidatos tem receio de desligar o aparelho por apenas duas, três horas, por pensar que vai perder alguma ligação ou mensagem importante. Mas, aí cabe perguntar: afinal, o que é importante para você?", questiona a especialista.
 
Colaborou: Roberto Ferreira
  fonte:Folha Dirigida