quarta-feira, 4 de junho de 2014

ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVOS E PASTAS- CONCEITOS

Excluindo um arquivo ou pasta
 
Excluir um arquivo ou pasta é retirar este objeto da unidade de armazenamento, liberando o espaço ocupado por este para poder ser usado na gravação de outro.
Segue, abaixo, um passo a passo simples para se proceder com o apagamento (exclusão) de um objeto:
 
1) Selecione o objeto desejado (ou, no caso, indesejado);
 
2) Acione o comando de exclusão (há 4 maneiras de acioná-lo):
- Acione Arquivo/Excluir; ou
- Pressione a tecla Delete; ou
- Acione o botão Excluir, na barra de ferramentas (ao lado); ou
 
 
 
 
 
 
 
- Acione a opção Excluir do menu proveniente do botão direito do mouse.
 
3) Confirme a operação (uma pergunta será feita em uma caixa de diálogo e toma-se por confirmação a resposta afirmativa).
 
 
 
 
 
 
 
Outra forma de enviar um arquivo para a lixeira (calma, falaremos daqui a pouco sobre ela) é arrastá-lo diretamente para o ícone da lixeira, na área das pastas. Há uma pequena diferença neste método, pois o Explorer não vai solicitar confirmação da operação, é só soltar o objeto e ele será colocado na lixeira imediatamente.
 
 
 
Lixeira
 
A Lixeira é uma pasta especial que o Sistema Windows utiliza para o processo de exclusão dos arquivos e pastas dos discos rígidos do computador. A Lixeira só guarda objetos que se tentou apagar de um Disco Rígido (HD) do computador, ou seja, quando se tenta apagar um objeto de uma unidade removível (disquete, unidade de rede, etc.), a lixeira simplesmente não o retém, esse objeto é definitivamente apagado. A lixeira tem um limite máximo de armazenamento, que por padrão, é de 10% do tamanho do HD (atenção: cada unidade de disco rígido do meu computador possui uma pasta lixeira própria). A lixeira mantém armazenados os dados nela por tempo indeterminado, até que se resolva retirar o objeto da lixeira, colocando-o em qualquer outro local (incluindo o seu local de origem) ou até que ele seja apagado completamente da lixeira.
 
Para retirar um objeto da lixeira, selecione o referido objeto e acione o comando Arquivo / Restaurar, na barra de menus da lixeira. A mesma ação pode ser encontrada no botão direito do mouse sobre o objeto. Quando se retira o objeto por esse método, o mesmo vai ser enviado imediatamente para o local de onde foi originalmente apagado.
 
 
 
Um objeto que está na lixeira também pode ser arrastado para qualquer outro local fora da lixeira, sem necessariamente ir para o local de onde foi apagado. Outra informação interessante sobre a lixeira é que nenhum objeto dentro da lixeira pode ser aberto (tente aplicar duplo clique em algum objeto na lixeira e verá que ele não será aberto). Isso evita que os usuários utilizem a lixeira como uma pasta normal (prática muito comum no Windows 95).
 
É possível ignorar a lixeira quando se apaga um arquivo ou pasta do Disco Rígido. Basta manter pressionada a tecla SHIFT, no teclado, enquanto executa o processo de apagamento
Qualquer que seja a opção escolhida para se excluir definitivamente um arquivo ou pasta do seu computador, esse processo na realidade retira as informações de posicionamento do objeto presentes na FAT. Ou seja, um arquivo apagado ainda apresenta seus dados na superfície do disco, mas para o sistema operacional ele não existe porque seu posicionamento na FAT não existe mais.Há programas no mercado que conseguem ler a superfície do disco diretamente à procura de arquivos supostamente apagados e, com isso, reescrevê-los na FAT para que o sistema operacional consiga enxergá-los novamente. Esses programas são usados pela Polícia Federal para periciar informações em computadores suspeitos.
 
Copiando e Movendo Objetos
 
É possível alterar a posição de um arquivo de uma determinada pasta para outra ou criar cópias de um determinado arquivo ou pasta em outros locais.
Mover significa mudar um objeto de local, posicionando-o em outro diretório. Copiar é o procedimento que cria uma cópia exata de um determinado objeto em outro local (ou no mesmo local, desde que com outro nome).
 
É possível mover e copiar arquivos e pastas usando o movimento de arrasto simplesmente.
Para copiar um arquivo: Arraste o arquivo enquanto pressiona a tecla CTRL no teclado.
Para mover um arquivo: Arraste o arquivo enquanto pressiona a tecla SHIFT.
 
 
 
 
Se o usuário do computador simplesmente arrastar um arquivo sem pressionar a tecla CTRL ou a tecla SHIFT, o movimento resultante (copiar ou mover) é decidido de acordo com as unidades.
Será mover se o usuário arrastar um objeto entre pastas de uma mesma unidade de disco (por exemplo, entre pastas diferentes da unidade C:);
Será copiar se o usuário arrastar um objeto entre duas unidades diferentes (por exemplo, se um arquivo for arrastado do disco rígido – unidade C: - para o disquete – unidade A:).
 
 
 
 
Outra maneira de mover e copiar arquivos é usando os comandos Recortar, Copiar e Colar, encontrados no menu Editar e na barra de ferramentas.
 
 
 
Esses três comandos são usados de forma semelhante ao seu uso nos programas que manipulam dados, como o Word e o Excel, ou seja, os comandos Recortar e Copiar iniciam o movimento e o comando Colar confirma a operação.
Veja um passo a passo para copiar e mover arquivos usando esses comandos:
1) Selecione o objeto desejado;
2) Acione Recortar (se deseja mover o objeto) ou Copiar (se deseja copiá-lo);
3) Selecione o local de destino (o diretório para onde o objeto vai);
4) Acione Colar;
 
Os comandos apresentados acima também podem ser acessados por combinações de teclas:
Recortar: CTRL + X
Copiar: CTRL + C
Colar: CTRL + V
Outras operações que podem ser realizadas no Windows Explorer não envolvem arquivos ou pastas.
 
Formatando Discos
 
Formatar é preparar um disco (ou uma partição) para ser usada como superfície de gravação.
Quando se formata um disco, seus dados são completamente apagados, deixando todos os clusters limpos para serem utilizados para a gravação de outros dados.
Para formatar uma unidade de disco, selecione-a e acione Arquivo / Formatar.
 
 
 
 
Antes de iniciar o processo de formatação propriamente dito, é possível escolher uma formatação rápida, que resultará apenas no apagamento da FAT, e não dos dados na realidade. 
No caso da formatação dos disquetes, há uma opção que se chama Criar um disco de Inicialização do MS-DOS ou, em algumas versões do Windows, Copiar Arquivos do Sistema, que fará uma cópia, depois de terminada a formatação, dos arquivos iniciais do Sistema Operacional DOS, e escreverá seus dados na MBR do disquete, tornando-o um disco de boot.
Uma ressalva: o Windows não deixará o usuário formatar a unidade de disco onde ele está instalado (normalmente a unidade C:).
 
Copiando Discos
 
Uma opção pouco usada hoje em dia é a cópia exata de discos flexíveis que o Windows pode realizar. Podemos realizar a cópia inteira de um disquete (setor por setor) usando o comando que se encontra em Arquivo / Copiar Disco... Esse comando só aparece se uma unidade de disquete estiver selecionada.
 
 
 
 
 
Compartilhando Recursos
 
Quando um computador faz parte de uma rede de computadores, ou seja, quando está física e logicamente conectado a outros computadores, seus recursos (unidades, pastas, impressoras) podem ser compartilhados com os outros, para serem usados por qualquer componente da rede.
Para compartilhar uma pasta com os outros computadores da rede, simplesmente selecione a pasta e acione Arquivo / Compartilhamento
 
 
 
 
Quando trabalhamos com Windows “domésticos” (Windows 95, 98, ME ou XP home), há basicamente duas formas de compartilhamento de diretórios:
 
Somente Leitura: permite aos outros computadores apenas lerem o conteúdo do compartilhamento, mas não podem modificá-lo (pode-se abrir arquivos e copiá-los, mas não salvá-los ou apagá-los).
 
Acesso Completo: Livre acesso ao conteúdo do compartilhamento, permitindo apagar arquivos e pastas, modificá-los, movê-los, etc.
 
Porém, quando o Sistema Operacional é um exemplar da família corporativa da Microsoft (Windows NT, Windows 2000), outras características são adicionadas ao compartilhamento, como, por exemplo, há permissões de acesso diferentes para cada usuário.
 
Quando uma pasta é compartilhada, no computador local seu ícone ganha uma mãozinha na posição inferior esquerda, como mostrado a seguir:
 
 
 
Quando estamos ligados a uma rede local de computadores, podemos ver os outros componentes da rede (outros computadores) através do ícone Meus Locais de Rede (que era conhecido como Ambiente de Rede, nas versões anteriores do Windows).
 
 
 
 
Supondo que estamos trabalhando no computador denominado Desktop, para ver o conteúdo do computador Mobile, basta abri-lo e teremos acesso ao que foi compartilhado nele. Caso o computador esteja “vazio” é sinal que nenhum dos recursos da referida máquina foi compartilhado. Não é o caso mostrado na figura abaixo.
 
 
 
 
Mapeando uma Unidade de Rede
 
 
 
Mapear uma Unidade é selecionar um compartilhamento qualquer de outra máquina da rede e transformá-la em uma “unidade de disco” virtual em nosso computador.
 
Para mapear uma unidade, basta acionar Ferramentas / Mapear Unidade de Rede, dentro da caixa de diálogo que se abrirá deve-se informar a letra que a unidade usará (X:, Z:, qualquer uma) e a que compartilhamento ela fará ligação.
 
Note, na figura seguinte, como fica uma unidade mapeada, apresentada junto com as demais unidades de disco locais.
 
 
 
 
A qualquer momento o usuário poderá “excluir” a unidade mapeada se não a quiser mais. Esse processo é chamado Desconectar Unidade da Rede e seu comando está localizado também no menu Ferramentas. Com isso nós finalizamos os procedimentos que podem ser realizados com o Windows Explorer no tocante a gerenciamento de arquivos e diretórios. 
 
 
Espero que você tenha gostado deste nosso bate papo!
 
Sucesso nos estudos e na nova carreira!
Abraços!
Fonte:Folha Dirigida