terça-feira, 15 de março de 2016

CLAMAMOS POR HONESTIDADE, MAS SERÁ QUE SOMOS TAMBÉM?

  Estamos vivendo um clamor nacional por um país sem corrupção e que puna em todas as esferas  os criminosos transvestidos de agentes públicos. No meio de tudo isso vem à tona a discussão sobre as pequenas práticas de honestidade. E como essas práticas estão longe de cada realidade de muitos cristãos. Coisas pequenas que deviam ser banidas de uma vida que busca a santidade. Do universo de coisas destaco: Compra coisas roubadas. Todo mundo sabe que quando alguém vem vender um celular de última geração pelo valor de R$200,00 alguma coisa estar errada. Mesmo assim muitas pessoas em busca de uma economia desonesta praticam o crime de interceptação  que é o recebimento de algo furtado. Fazendo isso você estar dando continuidade a uma cadeia de furto além de alimentar um mercado paralelo que tem devastado a vida de muitas pessoas. Outra prática é a do suborno. Mesmo  considerado uma prática banal, muitos cristãos a usam  para que haja uma facilitação em seus serviços. Andam com emplacamentos atrasados e até sem carteira confiando na desonestidade de muitos agentes públicos. E porque não a velha mentira de dizer que não estamos em um lugar estando, sem falar nos diversos crimes de trânsito como estacionar em locais proibidos e queimar sinais. É meu amigo devemos ser fieis nas pequenas coisas. Como contornar isso? Adquirindo atitudes de probidade, seguindo a palavra de Deus e capacitando-se na presença de Deus. Lembre-se a fidelidade a Deus passa também por nossas relações com o outro.


YNDREWs FILLIPH