segunda-feira, 1 de junho de 2015

A IGREJA E SUA NEGILGÊNCIA COM A POLÍTICA

Resultado de imagem para politica
Eu admito um leigo, uma pessoa sem formação básica mais um cristão quando fala que não só detesta politica e quando exerce seu direito de voto o faz de todo jeito. Pior ainda declara isso com orgulho,eu confesso meu querido(a) leitor que minhas entranhas se mexer totalmente de indignação. Pois era justamente ele para ter consciência de seu deve frente a tantos problemas causado pela negligencia política da gente. Isto acontece porque essa nova geração de cristão é tão alienada com causas fúteis que o mais básico da fé cristã que é a Justiça Social nem é pregada em nossos púlpitos. Politica é sim deve de todo cristão e responsabilidade de ser ensinada na igreja sim. Vivemos hoje em um parlamentarismo brando presidente, governadores, prefeitos não tem poder nenhum sobre seu pais, estado ou município. Quem manda hoje são os vereadores, deputados e senadores que loteam secretárias e ministérios usando a velha falácia que ajudaram a eleger o executivo. Nisso os poderes são reféns desse sistema perverso. A reforma política é feita as pressas e a toque de caixa pois Eduardo Cunha corre contra o tempo antes que seu envolvimento na Lava Jato casse seu mandato, pensando nisso ele usa manobras e chantagens para aprovar leis capengas enquanto nossos representantes assistem filmes pornôs e plena sessão. E nós igreja qual a culpa disso?
Nossa culpa se dar quando votamos de qualquer jeito. Quando dando uma de revolucionário votamos em branco e computamos na legenda mais votada. Quando vedemos nosso voto por R$20 ou R$100.O voto mais importante não é o do Presidente, Prefeito ou Governador. O voto mais importante é o do deputado federal, do estadual ,do senador e do vereador. São eles quem governam de verdade, são eles quem decide que lei vai ou fica, pra onde o dinheiro de nossos impostos serão investidos, têm poder para aumentar ou baixar seus próprios salários e o nosso.Diante de tudo isso nosso papel como igreja é de no mínimo votar consciente e de forma séria.
Yndrews Filliph